31 de jan de 2017

Não cultive a bad vibes



Nesses últimos dias ao entrar no facebook estou sempre me deparando com algumas postagens totalmente desanimadoras (e olha que já me afastei de muita gente que não fazia postagens agradáveis). Nesse começo de semestre já vi alguns veteranos falando para os calouros que vão entrar na UFJF que eles vão desanimar com o curso no primeiro semestre, ou então outras pessoas reclamando da animação dos outros estudantes com a nota do ENEM, afirmando que entrar na faculdade não era a melhor coisa do mundo

Será que o problema não está nos seus sonhos e não nos sonhos das outras pessoas? Meu sonho era entrar na universidade e quando isso aconteceu tive uma das maiores alegrias da minha vida, além do mais também não me decepcionei no primeiro semestre e continuo muito feliz. 

Antes de reclamar da vida e das cotidianidades, que tal parar e pensar no que realmente te faz feliz? Se o que você vive te faz tão mal ou te decepciona tanto, por quê não buscar outra perspectiva de vida? Por quê não pensar antes de tomar certas atitudes? Por exemplo, pesquisar a grade do seu curso já seria um passo importante para estar preparado para o que você vai encontrar na universidade. 
Quando você busca entender quem você é e o que você gosta, é fácil perceber que a vida ainda pode ser bem melhor do que viver reclamando nas redes sociais

Eu acredito muito nas energias e na força da palavra. Se você fala muito sobre algo, acaba motivando aquela pessoa ao seu lado à acreditar naquilo que você pensa. Não seria muito melhor incentivar bons pensamentos e mandar boas energias?
Durante esse primeiro semestre lutei muito em minha mente contra esses pensamentos ruins que estavam prestes a me contaminar. Pelo meu auto-conhecimento, minha coragem e minha força de vontade, consegui perceber que aquilo não era o que eu acreditava e não poderia seguir aquela linha. 


Ah, mas nem tudo é um mar de rosas...

Sim, às vezes a comida do RU não é tão boa, mas todos os dias que você cozinha sai igual um jantar de restaurante francês? 
Sim, às vezes a aula é chata, mas você já conseguiu encontrar na sua vida alguém que pudesse falar 4h seguidas e ser legal falando de algum assunto teórico? Já parou pra pensar que se fosse você no lugar daquele professor, você conseguiria cativar a atenção de todos na sala? 
Sim, tá quente pra caramba e fica frio pra caramba também. Nós vivemos em um país tropical, e não no Polo Norte. Aqui o clima oscila muito, e se você não se convencer disso, vai passar o resto da vida reclamando. 

Você pode discordar sobre tudo que eu falei da universidade, porque provavelmente esse não é o sonho de todo mundo, boa parte dos jovens hoje vivem outra realidade e cada um carrega em si suas peculiaridades. Mas o problema é que essa onda de bad vibes está atingindo todos os assuntos possíveis. É em casa, no trabalho, no colégio, no shopping, nas redes sociais... Que tal tentar ser um pouco mais otimista ou pelo menos buscar o que realmente te causa prazer? É muito mais fácil do que reclamar, afinal, essa é uma coisa que não vai mudar absolutamente nada e vai te deixar pior ainda com a situação. 

Tá na bad vibes? Lembra do que te faz feliz e tenta viver essas sensações novamente. Expresse seus sentimentos de alguma forma, faça algum exercício, marque um encontro com os amigos, ouça suas melhores músicas. Não romantize a bad vibes. Não é bonito, não legal e muito menos te faz bem psico e fisicamente... 
Outro fato importante: não é porque você está no fundo do poço que tem que levar todos aqueles que te rodeiam junto com você. Eles estão ao seu lado justamente para te reerguer quando você precisar. Colocá-los pra baixo além de egoísta é uma atitude que revela falta de amizade e companheirismo. Sempre que precisar esteja perto daqueles te amam e gostam de você, sem dúvidas você será acolhido.


Esse texto não é pra te dizer que você deve ser feliz o tempo todo e viver com um sorriso no rosto sem reclamar de nada na vida, e sim sobre ter a consciência de que a única pessoa que pode realmente mudar isso é você. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário